Regina Silveira | texto da exposição



Querida Regina,

Há exatamente dez anos, em 2006, fiz uma entrevista comentada com você para a exposição "Luz zul", que fizemos no Centro Cultural Telemar, hoje Oi Futuro, em que faço a seguinte observação em referência à sua resposta para a pergunta de como você via a questão do insólito e do maravilhamento, que eu identificava na sua obra: 

O insólito, o maravilhamento e a perplexidade são dimensões que o tempo fragmentado da contemporaneidade tem engolido de forma tão avassaladora que ainda talvez não tenhamos avaliado as consequências nefastas que isso representará no futuro. Esses elementos são a fonte do poético, do filosófico e da imaginação criadora da ciência. É uma dimensão sem a qual é duro viver. 

Passados dez anos, sou surpreendido pelo título que você deu à sua intervenção na 21ª edição do Respiração: Insolitus. Você me fez perceber que aquela exposição de 2006 mantém um elo com esta intervenção, que foi subterraneamente se infiltrando ao longo do tempo, e manifestou-se através das conversas que tivemos e que, de alguma maneira, conduziu sua intuição / determinação primeira de transformar a mesa e as cadeiras da sala de jantar em um objeto peludo preto; um objeto insólito ao criar a obra Mutante l. Essa ideia foi tomando corpo e permitiu que eu percebesse com mais contundência o lado negro presente no conjunto de sua obra; lembro aqui dos trabalhos com sombras como contraponto poético metafórico aos trabalhos que lidam com a luz, e como identificação da ausência que todo corpo projeta para além de si. 

No texto do catálogo de 2006, fiz referência a uma parábola judaica que fala dos dois fogos que escreveram as pedras da lei: o fogo negro, que desenhou as letras tal como as lemos, e o fogo branco, que criou o espaço entre as letras que nos permite lê-las. E afirmava, então, que hoje lemos o fogo negro e que chegaria o dia em que conseguiríamos ler o fogo branco e que nossa percepção da realidade mudaria integralmente. Da mesma forma penso que a sombra, no conjunto de sua obra, pode ser percebida como uma presença imaterial que se projeta para além do corpo material, como também uma presença que projeta o vazio subterrâneo desse mesmo corpo. 

Para mim Insolitus pode ser lido de duas maneiras, como um paradoxo que nos desafia, tal como os fogos e a sombra: como explicitação do vazio subterrâneo de nossa sociedade atual, sem rumo, que faz aflorar as pulsões negativas de um mundo incerto e inseguro, e como um alento de esperança - um chamamento - que nos diz: surpreendam-se com o insólito!  A estranheza e a perplexidade que ele desencadeia são uma chamada à esperança. Fiquem atentos e tomem cuidado com as forças insidiosas que nossas opções estão nos levando e teremos de encontrar saídas porque o incômodo e o desconforto atuais são grandes.

Longe de mim querer dar uma roupagem político-panfletária à sua intervenção, sei que essa não é e nunca foi sua intenção, ao contrário, vejo nela uma dimensão espiritual. Generosa. Mundus admirabilis é uma infestação de insetos gigantes que tomam conta da fachada da casa-museu Eva Klabin, assim como Dark swamp (nest), na Sala Renascença, em que um ovo negro de 180 cm de altura brota de um pântano de crocodilos, produzindo uma percepção de maravilhamento insólito que nos deixa perplexos e reflexivos sobre o que será gerado dali. Tudo isso tendo como fundo o som de helicópteros e mosquitos, vindo da obra Fábula ll, no alto da escada do hall principal, como referência perturbadora ao mundo dos insetos e ao filme de Francis Ford Coppola (Apocalypse now), cujas últimas palavras são: "O Horror. O Horror. O Horror". Você cria, dessa maneira, uma paisagem sonora que imanta o espaço da residência dando coerência poética à sua intervenção. 

Poder conservar a reflexão neste momento de incertezas que o mundo atravessa, perdidos que estamos entre um território conhecido, mas que sabemos sem futuro, e um desejo de algo novo, mas inseguros pelo desconhecido; permitir-nos interromper o fluxo do cotidiano e a partir de sua intervenção refletir sobre nossos descaminhos é, para mim, esperança. 

Esperança no sentido de que estamos numa travessia entre dois mundos, entre duas escritas, entre dois fogos e teremos de optar sem medo: apegamo-nos ao conhecido e repetimos os mesmos erros do passado ou apegamo-nos à esperança, mesmo sem saber ao certo para onde ela nos levará, e arriscamos na certeza de que não mais queremos o que aí está e que o desconhecido traçará um novo caminho.  Ansiamos por uma mudança espiritual: Insolitus nos traz a crueza de uma realidade substantiva, que sua obra é capaz, ao explicitar, materializando-se na superfície do mundo, as angústias de nossa sociedade atual.

Só a arte e a filosofia são capazes de tal feito porque têm os meios espirituais para tal; não temem o desconhecido e não têm o receio de colocar o dedo na ferida. Espero que as pessoas que entrem em contato com mais essa intervenção no acervo da casa-museu Eva Klabin percebam que o que está sendo proposto desde o início pelo projeto curatorial e que você, Regina, soube expressar com tanta propriedade, ao radicalizar a ideia de intervenção da proposta original do Respiração, é a necessidade de desestabilizar para encontrar novo equilíbrio. Ao desestabilizar os códigos de uma residência, em que a tranquilidade doméstica é perturbada pelo seu imaginário, você cria uma metáfora contundente dos tempos atuais.

Querida Regina, só os artistas são capazes de antever o futuro, não que isso seja um mérito em si, já que o futuro chegará independentemente do que quer que seja, mas ao trazerem consigo essa potência conservam a única certeza possível que é a clareza da constatação. O que quero dizer com isso? É que o corpo do artista é uma espécie de veículo dos tempos se metamorfoseando, que se expressa por meio das obras de arte.  A obra é mais importante do que o artista; ela é um raio X do tempo de sua atualidade; é capaz de criar pelas sensações de identificação/empatia (Worringer) uma percepção de evidência, que é um bloco de sensações (Deleuze), deixando o mistério de cada época mais transparente. 

O PROJETO RESPIRAÇÃO

APRESENTAÇÃO DE MARCIO DOCTORS
Curador da Fundação Eva Klabin


JOSÉ DAMASCENO - 1ª edição
imagens
clipping



ERNESTO NETO - 2ª edição
imagens
clipping






CHELPA FERRO - 3ª edição
imagens
vídeos
texto da exposição
clipping
ANNA BELLA GEIGER - 4ª edição
imagens
texto da exposição
clipping






PAULO VIVACQUA - 5ª edição
imagens
texto da exposição
clipping




BRÍGIDA BALTAR - Estados de Metáfora - 6ª edição
imagens
texto da exposição
clipping






CLAUDIA BAKKER - Estados de Metáfora - 6ª edição
imagens texto da exposição
clipping








  
MARTA JOURDAN - Estados de Metáfora - 6ª edição
imagens
vídeo
texto da exposição
clipping




RUI CHAFES - 7ª edição
imagens
texto de exposição
clipping






NUNO RAMOS - 8ª edição
imagens
texto de exposição
clipping


JOSÉ BECHARA - 9ª edição
imagens
texto da exposição
clipping





JOÃO MODÉ - 10
ª edição
imagens
texto da exposição
clipping







DANIELA THOMAS - 11ª edição
imagens
texto da exposição texto da artista
clipping

galeria de fotos da abertura





LILIAN ZAREMBA - 11ª edição
imagens
textos da exposição
texto da artista
clipping

galeria de fotos da abertura





ANNA MARIA MAIOLINO - 12ª edição
imagens
texto da exposição 
clipping
 





CARLITO CARVALHOSA - 13ª edição
texto da exposição e galeria de fotos
clipping
galeria de fotos da abertura



DANIEL BLAUFUKS - 14ª edição
release 
texto da exposição e galeria de fotos

clipping
galeria de fotos da abertura




ENRICA BERNARDELLI - 14ª edição
release
texto da exposição e galeria de fotos 
clipping
galeria de fotos da abertura






MARIA NEPOMUCENO - 15ª edição

texto da exposição e galeria de fotos 
galeria de fotos da abertura



SARA RAMO - 15ª edição
texto da exposição
galeria de fotos da abertura







LAURA LIMA - 16ª edição
texto da exposição







MARCOS CHAVES - 17ª edição
texto da exposição 

fotos da intervenção 1  2  3  4  5  6  7
galeria de fotos da abertura


 


ROSÂNGELA RENNÓ - 18ª edição
texto da exposição
fotos da intervenção 
galeria de fotos da abertura




NELSON LEIRNER - 19ª edição
Edição comemorativa dos 10 anos do Projeto Respiração
texto da exposição
clipping 1 2 3
galeria de fotos da abertura
vídeo 



EDUARDO BERLINER - 20ª edição
fotos da intervenção
texto da exposição
clipping





REGINA SILVEIRA | Insolitus
fotos da abertura
fotos da exposição
clipping

Eduardo Berliner | A presença da ausência | 20ª edição

10 de setembro de 2015 a 31 de janeiro de 2016